Skip to content

Portugal: complexos e resistência

07/07/2010
by

 

 

José Cid no Festival da canção 1980. Estádio da Luz, numa tarde de inferno.  

Não sou e nunca serei iberista!

Sou, até ver, Português.

Assim espero continuar a ser, no dia em que morra.

Peres de Trava, Andeiros, ou Vasconcelos, podiam ser óptimos gestores da coisa pública: não eram de certo, por Portugal. Eu sou.

A Holanda, ou a Suiça, são belíssimos exemplos de pequenos países, que conseguem estar à altura da sua dimensão. Nós, pelo contrário, oscilamos sempre entre dois complexos.

O de inferioridade (o que chamo de complexo «festival da canção»: um dia vamos mesmo vencer o eurofestival. Só é necessário que os outros compreendam, por fim, a língua portuguesa e que a Espanha vote em nós…);

O de superioridade (o que designo de complexo do «maior do mundo»: a maior ponte do mundo; o maior estádio do mundo; a maior barragem do mundo; a maior «Expo» do mundo; a maior ZEE do mundo; o clube de futebol com maior número de sócios do mundo; etc., etc.)

Um dia, tenho a certeza, que conseguiremos ser… Portugueses, sem complexos.

Até lá, parece-me que a única coisa a fazer, é resistir.

Anúncios
No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: